Sistema integrado de uso de água

Tempo de leitura: 3 minutos

O Sistema Integrado é uma nova geração de tratamento de efluentes que se adapta a todos os tipos de projetos, sendo uma tecnologia inovadora, atrelada a inclusão biológica no mesmo sistema, dando mais eficácia ao processo de tratamento.

Adotar o Sistema Integrado no seu projeto lhe trará muitas vantagens e economia em relação ao sistema de esgoto tradicional. Com este sistema, o papel higiênico, esgoto, resíduos orgânicos e águas cinzas são coletados e tratados pelo Vermifiltro. O efluente tratado é bombeado para o Ecotelhado, onde funciona um Wetland (banhado construído). No Wetland ocorrerá mais uma etapa do tratamento e, após esta fase, a água tratada já pode ser utilizada para fins não potáveis – como irrigação de jardins e descargas. Isto substitui com vantagens o uso da fossa séptica e das redes pluvial e cloacal e reduz o desperdício de água potável.

Entenda como funciona, em cinco etapas:

  1. Vermifiltro: todo o efluente doméstico é direcionado para o Vermifiltro, onde a parte sólida será filtrada e digerida pelas minhocas, transformando-a em húmus que servirá de nutriente para as plantas.
  2. Torre Verde: o efluente líquido que sai do Vermifiltro é encaminhado para a Torre Verde, que é cercada de vegetação por todos os lados, onde a água percola e é oxigenada antes de chegar no Ecotelhado/Wetland.
  3. Ecotelhado / Wetland: a água chega no Wetland com 90% de limpeza. Nesta etapa, ocorre o tratamento por zona de raízes em toda extensão da laje, onde as bactérias alocadas nas raízes das macrófitas fazem o tratamento junto a fotossíntese das plantas.
  4. Cisterna subterrânea: a água que excede o Ecotelhado depois do tratamento pode ser direcionada para um reservatório e ser utilizada para irrigação de vegetações (exceto hortaliças).
  5. Reutilização nos vasos sanitários.

Obs: O Vermifiltro deverá ter um ladrão ligado a rede pública ou a um sumidouro para eventuais manutenções.

tratamento-de-esgoto

 

Benefícios:

  • Mimetização da ETE no paisagismo.
  • Sistemas mais econômicos.
  • Maior eficiência no tratamento.
  • Digestão de moléculas orgânicas resistentes a outros processos.
  • Não causa odor.
  • Permite convívio em áreas vizinhas.
  • Traz menor consumo de energia para atingir mesmos padrões de qualidade.
  • Melhor custo benefício.
  • Menor custo inicial de instalação quando a comparada à outras soluções.
  • Menor custo de manutenção anual.
  • Dispensa o uso de produtos químicos.
  • Tem capacidade para atingir níveis de remoção de N adequados à resolução do Concema de 128/206.
  • Sem necessidade de retirada de lodo.

Pode ser projetado para incorporar resíduos orgânicos sólidos como papel higiênico, restos de comida, etc.

Quatro maneiras de aplicar no seu projeto:

  1. Integrado à laje do prédio, com tratamento e reuso de água cinzas e negras.
  2. Integrado ao paisagismo com reuso em sanitário: com gravidade ou com uso de bomba.
  3. Como irrigação subsuperficial do paisagismo sem reuso em sanitário.
  4. Integrado ao prédio somente com reuso de água cinza.

Em alguns casos é possível instalar somente o vermifiltro para substituir a fossa séptica, diminuindo a poluição que vai para rede pública e gerando menos manutenção que a fossa.

Maiores informações sobre os sistemas descritos podem ser obtidos junto a Ecotelhado, https://goo.gl/K5m1WD .

 

Inscreva-se em nosso canal:

https://goo.gl/S6z02M

Siga a Vieira Santos nas redes sociais:
▶ Facebook: https://goo.gl/DOoKqK
▶ Instagram: https://goo.gl/Ul6DYq
▶ Twitter: https://goo.gl/wjWa5k
▶ Linkedin: https://goo.gl/1MpKvD

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + 4 =